HomeNotíciasDeputado Pedro Uczai defende revisão de critérios de seleção para estudar no exterior

Deputado Pedro Uczai defende revisão de critérios de seleção para estudar no exterior

Deputado Pedro Uczai defende revisão de critérios de seleção para estudar no exterior

“Internacionalização para quem?” Esse foi o questionamento que estudantes da pós-graduação de diversas universidades federais do país fizeram em audiência pública na Comissão de Educação que debateu as mudanças dos critérios de proficiência em língua estrangeira do Programa Doutorado Sanduíche no Exterior.

Uma das reclamações é que o edital que trata do programa passou a exigir proficiência em inglês inclusive para candidatos que pleiteiam bolsas para estágio em Portugal. Além disso, a comunidade acadêmica foi surpreendida com os altos ‘scores’ exigidos no edital de 2017. Os índices são superiores aos solicitados pelas instituições internacionais.

Foram convidados para discutir o assunto o presidente da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), Abílio Afonso Neves, e a presidente da Associação Nacional de Pós-Graduandos, Tamara Naiz.

Em pronunciamento na audiência, o deputado e professor Pedro Uczai (PT/SC) demonstrou apoio aos pós-graduandos e solicitou que a Capes revise os critérios de seleção. “Falo em nome dos estudantes de todo país e do meu Estado, alguns me procuraram e demonstraram preocupação com as novas exigências que podem impedi-los de estudar em outro país, pois os novos critérios praticamente inviabilizam a participação deles, ” afirmou o parlamentar.

Para o professor Pedro Uczai, além do curto prazo, pois o edital de 2017 já exige adequação para os estudantes que irão concorrer a Bolsas Sanduíche neste ano, ao exigir altos scores de língua estrangeira, a Capes desconsidera a realidade da maioria dos estudantes brasileiros que vem de escolas públicas, e não tiveram língua estrangeira como pratica diária.

“Me parece que a Capes não quer eliminar a possibilidade dos jovens estudarem no exterior, mas sim, elitizar o processo, pois com essas exigências, apenas a elite que vem de escolas privadas, e ao longo da sua trajetória pode estudar inglês ou línguas, que teve acesso a outro capital cultural e social, poderá acessar esse tipo de oportunidades,” criticou Pedro Uczai.

 

 

Compartilhe
Sem comentários

Deixe seu comentário