Mulheres petistas entregam carta de proposições para presidenta nacional do PT, Gleisi Hoffmann

Encontro estadual reafirmou bandeiras e uniu as mulheres na luta por mais espaços na sociedade

Florianópolis – O sábado (27) foi dia de Encontro de Mulheres Petistas de SC, na Assembleia Legislativa, em Florianópolis. Neste dia, a secretária de Mulheres do Partido dos Trabalhadores (PT-SC), vereadora Marcilei Vignatti, entregou à presidenta nacional do partido, deputada Gleisi Hoffmann (PT-PR) uma carta com as proposições políticas feitas pelas mulheres catarinenses, tiradas durante o evento.

– Um dos marcos desse encontro foi a realização de grupos de trabalho, de onde saíram as propostas, com oportunidade para que as companheiras deliberassem e propusessem de fato. Importante dizer que todas falaram sobre a importância da formação em todas as regiões e nossa relação real com os Movimentos organizados de mulheres. E a reafirmação de que mulheres se colocarão como candidatas, mas que exigem respaldo, formação e trabalho de todo o partido e não só dos setoriais de mulheres-, diz a secretária estadual.

Gleisi reafirmou a luta Lula Livre, embasando sua argumentação nas realizações do ex-presidente. Mas chama a atenção para que esta luta seja feita principalmente pelas mulheres.

– Temos de dizer sem medo que somos feministas. O feminismo é o contraponto ao patriarcado, não é só uma luta de mulheres por espaço. Quando falamos de feminismo, falamos da pauta libertadora daquele que sempre foram punidos por serem diferentes: mulheres, índios, negros, LGBTS. Esta luta sempre foi a luta do PT -, conclui.

O encontro deste sábado rendeu homenagem a Arlete Canarinha, militante, candidata a deputada estadual nas últimas eleições, falecida em janeiro deste ano. A ex-deputada Ana Paula Lima falou algumas palavras, emocionada, narrando o ato de filiação de Canarinha, a luta que ela travava em todos os espaços para defender o partido e as teses que acreditava.

O presidente estadual do PT, Décio Lima, lembrou que Santa Catarina é o único estado brasileiro que carrega o nome de uma mulher. Lembrou de mulheres que fizeram história por aqui, como a própria Antonieta de Barros, que dá nome ao auditório onde aconteceu o evento. As companheiras Luci Choinaschi e Ideli Salvatti, combativas guerreiras.

– Nosso estado tem Anita Garibaldi, tem a santa Madre Paulina. Mas, apesar disso, nos deparamos com o fato de sermos o segundo estado em feminicídio. Só no mês de janeiro deste ano, 15 mulheres foram assassinadas. É triste ter que conviver com esses números -, lamentou Décio Lima.

No período da manhã, a mesa de falas expôs a conjuntura política do país, as violências, o feminismo e as eleições 2020. Vanda Pinedo representou o Movimento Negro Unificado (MNU-SC) e falou sobre as dificuldades que ainda encontra o povo negro, mesmo representando 54 por cento da população brasileira. Já professora Marlene de Fáveri fez uma análise do cenário educacional no estado e destacou que “Escola Sem Partido”. Ela contou que muitos professores estão sendo filmados por alunos e estão sendo denunciados. Na mesma mesa de debates, a deputada Luciane Carminatti contou sobre os desafios enfrentados pela Casa Legislativa neste início de mandato do novo governador e diz que, na política, as ações têm que ser realizadas com inteligência. E que o PT é resistência.

Outro destaque do encontro, a deputada Maria do Rosario (PT-RS) fez uma análise do cenário nacional, especialmente nas políticas de desmonte que atingem diretamente as mulheres fazendo duras críticas ao governo atual. Maria do Rosário é uma das parlamentares mais combativas a Bolsonaro e também falou sobre a “Escola Sem Partido “

– É uma escola sem ciência, do obscurantismo. Eles são doutrinadores. Eles fomentam o ódio e a violência na sociedade. Eles não são só uma linha política difusa, hoje eles são o Estado brasileiro. Necropolítica é a política da morte, do desrespeito, do inimigo -, disse.

O futuro da luta

Com tanta autoridade presente, o grande destaque do dia foi a fala da Sem Terrinha (MST), Sofia Camara, de nove anos, vinda de Chapecó. Ela visita com frequência o acampamento Lula Livre, em Curitiba, onde costuma cantar canções da Elis Regina. Segundo ela, o ex-presidente gosta. Com muita desenvoltura, sentou na mesa de autoridades e deu uma lição, segundo a platéia.

– Uma mulher que sabe o que quer, e luta por isso, pode transformar o mundo, A gente tá aqui porque sabe que tem que seguir lutando e buscando espaço, temos que resgatar o nosso poder de fala. Não podemos deixar que os homens resolvam o que fazer com os nossos corpos. Se você educa um homem, você educa um homem, se você educa uma mulher, você educa uma geração”, disse.

 

 

Compartilhe
Sem comentários

Deixe seu comentário