HomeNotíciasPadre Pedro questiona liberação indiscriminada de agrotóxicos

Padre Pedro questiona liberação indiscriminada de agrotóxicos

Padre Pedro questiona liberação indiscriminada de agrotóxicos

Parlamentar também propõe revisão de isenção tributária de
produtos que causam danos sociais e ambientais em SC e no Brasil

O deputado Padre Pedro Baldissera questionou, na tarde desta quarta-feira (12), no plenário da Assembleia Legislativa, a liberação indiscriminada de agrotóxicos no Brasil e as consequências desta política para o País e para Santa Catarina. O parlamentar ainda analisou as consequências dos benefícios fiscais aos agrotóxicos, em detrimento de mais investimentos na agricultura familiar e camponesa e na transição para modelos de produção menos nocivos à saúde e ao meio ambiente.
Padre Pedro citou pesquisas desenvolvidas pela Associação Brasileira de Saúde Coletiva (Abrasco) e pelo próprio Ministério da Saúde, através da Fundação Oswaldo Cruz (FIOCRUZ), que mostram indícios de que os agrotóxicos são responsáveis por problemas neurológicos, motores e mentais, distúrbios de comportamento, problemas na produção de hormônios sexuais, infertilidade e câncer de diversos tipos. “O mesmo relatório da Abrasco mostra que muitos agrotóxicos proibidos na União Europeia e Estados Unidos são utilizados sem controle no Brasil”, observou.
Um dos produtos – o paraquat – proibido em mais de 50 países, na Europa e até na Suíça, onde é produzido, está associado a casos de câncer, mal de Parkinson, fibrose pulmonar e danos genéticos. A Anvisa proibiu sua utilização no Brasil em setembro de 2017, contudo, depois de uma investida da empresa responsável pela sua produção e da pressão da bancada ruralista, acabou liberado. A fabricante levou lideranças ruralistas para visitar sua sede na Suíça. Entre eles estava a atual ministra da Agricultura, a então deputada federal Teresa Cristina.
“Enquanto o mundo inteiro revê as políticas relacionadas aos agrotóxicos, buscando incentivar a produção orgânica e agroecológica, o Brasil bate recorde com 169 novos registros de agrotóxicos em 5 meses”, denunciou Padre Pedro, questionando ainda as isenções fiscais ao veneno, que somaram quase R$ 7 bilhões nos últimos três anos.
Padre Pedro argumenta que o custo para a saúde pública e para a população é gigantesco. Entre 2007 e 2014 foram registrados mais de 25 mil intoxicações causadas por agrotóxicos (nesta conta não estão os casos em que a exposição aos produtos foi gradativa). São mais de oito casos por dia, quase todos atendidos no Sistema Único de Saúde (SUS). “Eles não pagam tributos e os custos ambientais e sociais da utilização do veneno são pagos integralmente pelos impostos da população”, complementou o parlamentar.

Compartilhe
Sem comentários

Deixe seu comentário